You are currently viewing Quais os sintomas da endometriose intestinal?

Quais os sintomas da endometriose intestinal?

A endometriose em si ainda é uma doença mal compreendida, e a endometriose intestinal pode ser ainda mais confusa. 

Ela é uma doença crônica na qual tecido semelhante ao endométrio cresce fora do útero em vários outros órgãos, afeta cerca de 10% das mulheres em idade reprodutiva, causando dor e às vezes infertilidade.

A  endometriose intestinal, muitas vezes diagnosticada erroneamente como síndrome do intestino irritável (SII), ocorre quando as lesões crescem no peritônio (a membrana que reveste o interior do abdômen e cobre os órgãos abdominais), o reto, os intestinos e outros níveis intestinais mais profundos.

Para explicar quais os sintomas da endometriose intestinal, preparei o artigo abaixo repleto de informações. Siga a leitura e confira!

O que é endometriose intestinal?

Para entender como a endometriose intestinal acontece, primeiro você precisa entender como os órgãos se encaixam em uma pelve humana. 

Todos os órgãos da cavidade pélvica – bexiga, cólon, reto e órgãos reprodutivos, como útero, trompas uterinas e ovários – estão muito bem compactados.

Quando alguém tem endometriose, um tecido muito semelhante ao tecido que normalmente reveste o interior do útero cresce fora do útero. 

Na maioria das vezes, esse tecido semelhante ao endométrio começa a crescer ao redor dos ovários, das trompas e do tecido que reveste a pelve. 

E age exatamente como o tecido endometrial deveria – incha, se decompõe e sangra aproximadamente a cada 28 dias. Mas como o tecido não tem para onde ir, fica preso dentro do corpo e causa cicatrizes e aderências.

A endometriose intestinal acontece quando o tecido semelhante ao endométrio cresce mais profundamente na cavidade pélvica e forma aderências no intestino ou ao redor dele. 

É muito improvável que o tecido cresça apenas no intestino, no entanto, a endometriose intestinal é considerada como “endometriose profundamente infiltrativa”. 

Isso significa que o tecido invasor cresce não apenas nos órgãos reprodutivos, mas também em outros órgãos da cavidade pélvica.

Quando o tecido cresce no intestino, as aderências agem um pouco como cola e podem prender pedaços do intestino a si mesmo ou a outros órgãos e causar um grande problema de saúde. 

Leia também::: Mudanças na dieta podem ajudar mulheres com endometriose a engravidar?

Como a endometriose intestinal pode ser diagnosticada?

O diagnóstico de endometriose intestinal requer uma história cuidadosa e um exame físico completo. 

A detecção de nódulo sensível na parte superior da vagina adjacente ao reto deve levantar a suspeita. 

As mulheres que têm cistos endometrióticos ovarianos no ultrassom podem ter até 30% de chance de ter endometriose intestinal ao mesmo tempo.

A ultrassonografia pélvica transvaginal profunda em um centro especializado pode ajudar a descobrir nódulos endometrióticos dolorosos infiltrando na parede retal-sigmóide, endometriose ovariana coexistente, endometriose vesical ou aderências.

A colonoscopia, muitas vezes aconselhada para excluir doenças inflamatórias intestinais, pode detectar ulceração da mucosa devido à infiltração de espessura total da endometriose no lúmen intestinal. 

Mais frequentemente, no entanto, a colonoscopia é muitas vezes negativa, resultando em falso diagnóstico de síndrome do intestino irritável. Por isso, a laparoscopia continua sendo o padrão ouro para avaliação da endometriose.

Qual o tratamento para a endometriose intestinal?

Antes de mais nada, precisamos lembrar que o anticoncepcional é um hormônio sintético. Embora possa ser eficaz em sua principal proposta, que é evitar a gravidez, seu uso pode trazer riscos à saúde.

Independente da mulher sofrer ou não com a endometriose, o anticoncepcional é uma influência externa ao organismo que mexe com seus hormônios.

Quando a mulher faz uso do anticoncepcional e já tem endometriose pode sofrer com algumas consequências.

As estratégias de controle da endometriose intestinal podem ir além de prescrever medicamentos. Tudo depende do caso, sempre muito particular.

A intervenção nos hábitos de vida pode fazer toda a diferença para inibir a produção de estrogênio.

Manter a alimentação balanceada, complementar com suplementação quando necessário e praticar atividades físicas com regularidade auxilia o organismo a reduzir a inflamação.

Uma dieta rica em frutas, folhas verdes, crucíferas, cúrcuma e ômega-3 é muito benéfica. Assim como evitar alimentos como leite, trigo, centeio e oleaginosas, que são pró-inflamatórios nos casos da endometriose.

A paciente deve ser abordada de maneira global sobre o seu problema, inclusive de acordo com os seus sintomas e levando em consideração o seu estilo de vida. 

Após avaliar de forma geral, é importante que o médico prescreva uma solução personalizada ao seu caso.

Leia também::: Endometriose após a menopausa: é possível?

Fique atenta aos sinais

Como viu, a endometriose intestinal é uma consequência grave da doença, que afeta o intestino e prejudica ainda mais a qualidade de vida da mulher.

Estar atenta aos sinais, conhecer os sintomas e, principalmente, ter um diagnóstico precoce da doença pode fazer toda a diferença. 

Como forma de aliviar os sintomas, mudanças no estilo de vida são sempre aconselhadas, visando redução da dor e do desconforto causado pela inflamação e melhorando a qualidade de vida da mulher.

Por fim, espero que tenham gostado do artigo sobre endometriose intestinal e como reconhecer os sintomas. E para mais dicas e muita informação sobre saúde, siga também meu canal do Youtube!