You are currently viewing Ômega 3 associado a redução do risco de endometriose

Ômega 3 associado a redução do risco de endometriose

A dieta rica em alimentos contendo ômega 3 pode reduzir o risco de uma mulher desenvolver endometriose. Em contrapartida, uma dieta rica em gorduras trans potencializam o risco de desenvolver a doença.

Tais informações são de fundamental importância para se evitar as chances do surgimento dessa terrível doença. Ela afeta cerca de 10% da população feminina brasileira, segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), sendo mais frequente entre mulheres de 25 a 35 anos de idade.

Ou seja, ao adotar uma dienta rica em ômega 3, ou com suplementos com esse poderosíssimo ácido graxo, podemos garantir melhor qualidade de vida às mulheres. Para saber mais sobre esse tema, confira o artigo abaixo!

Estudo sobre o tema

As informações constam em um estudo publicado na revista Human Reproduction. O estudo descobriu que, embora a quantidade total de gordura na dieta não importasse, o tipo de gordura sim. 

Nesse sentido, mulheres que comeram a maior quantidade de ácidos graxos ômega-3 de cadeia longa tiveram 22% menos probabilidade de serem diagnosticadas com endometriose do que aquelas que comeram menos.

Por sua vez, aquelas que comeram mais gorduras trans tiveram um risco 48% maior, em comparação com aqueles que comeram menos.

Os pesquisadores coletaram informações de 1989 a 2001 sobre 70.709 mulheres matriculadas na coorte do US Nurses Health Study. 

Eles usaram três questionários de frequência alimentar com intervalos de quatro anos para registrar os hábitos alimentares usuais das mulheres no ano anterior. 

Os pesquisadores categorizaram o consumo dos vários tipos de gordura dietética em cinco níveis e relacionaram essa informação a diagnósticos confirmados posteriormente de endometriose. 

Ao final do estudo, 1.199 mulheres foram diagnosticadas com a doença. Os resultados foram ajustados para eliminar qualquer influência nos achados de fatores como ingestão calórica total, índice de massa corporal, número de filhos nascidos e raça.

As descobertas também fornecem mais evidências de que uma dieta com baixo teor de gordura não é necessariamente a mais saudável e reforçam ainda mais o argumento para a eliminação de gorduras trans dos alimentos.

Leia também::: Endometriose: a importância do diagnóstico precoce

O que é o ômega 3?

Os ômega-3 são uma família de ácidos graxos essenciais que desempenham papéis importantes em seu corpo e podem fornecer uma série de benefícios à saúde.

Como seu corpo não pode produzi-los por conta própria, você deve obtê-los por meio de sua dieta.

Os três tipos mais importantes são ALA (ácido alfa-linolênico), DHA (ácido docosahexaenóico) e EPA (ácido eicosapentaenóico). O ALA é encontrado principalmente em plantas, enquanto o DHA e o EPA ocorrem principalmente em alimentos de origem animal e algas.

Alimentos comuns que são ricos em ácidos graxos ômega-3 incluem peixes gordurosos, óleos de peixe, sementes de linhaça, sementes de chia, óleo de linhaça e nozes.

Para pessoas que não comem muito desses alimentos, um suplemento de ômega-3, como óleo de peixe ou óleo de algas, costuma ser recomendado.

As gorduras trans

As gorduras trans são produzidas artificialmente por meio da hidrogenação, que transforma o óleo vegetal líquido em gordura sólida. 

Usados ​​em milhares de alimentos processados, de lanches a refeições prontas, eles já foram associados ao aumento do risco de doenças cardíacas. 

Alguns países os baniram. As principais fontes de gorduras trans usadas no estudo foram alimentos fritos em restaurantes, margarina e biscoitos.

Leia também::: Controle da dor na endometriose é possível?

Ômega 3 e endometriose

Dessa forma, como apresenta o estudo, o consumo de ômega 3 regularmente pode trazer diversos benefícios ao corpo feminino, reduzindo os riscos de endometriose.

Ele é encontrado em alguns alimentos de origem animal e vegetal. Mas também pode ser consumido em forma de suplementação.

Nessa última hipótese, é importantíssimo que seja feita com a recomendação de um médico ou outro profissional de saúde, respeitando as dosagens de acordo com suas características únicas.

Espero que o artigo sobre ômega 3 e endometriose tenha lhe sido útil. E caso queira mais dicas e informações sobre saúde, siga meu canal do Youtube. Tem sempre vídeo novo por lá!