You are currently viewing Tire suas dúvidas sobre reposição hormonal na menopausa

Tire suas dúvidas sobre reposição hormonal na menopausa

Os hormônios são tão importantes na condição de saúde dos indivíduos quanto a alimentação, a atividade física ou o estilo de vida. Quando se fala em hormônios femininos, essa questão ganha ainda mais relevância. Sendo assim, no artigo que segue, relaciono os principais pontos sobre a reposição hormonal na menopausa.

O acontecimento da menopausa, ou seja, da última menstruação, costuma vir acompanhado de dúvidas, receios e inseguranças. 

Essa realidade é comum, pois a falta de informações seguras acerca do assunto, posterga o entendimento que a mulher pode ter sobre sua condição hormonal nessa fase da vida.

Sendo assim, somente quando a sintomatologia do climatério e da menopausa começa a comprometer sua qualidade de vida é que a mulher procura ajuda médica e se abre para possíveis tratamentos, a exemplo da reposição hormonal.

Desde o nascimento da menina, já se conhece o caminho pelo qual ela percorrerá ao longo da sua vida reprodutiva. Estar aberta para entender o belíssimo funcionamento do seu corpo, respeitando-o, não significa aceitar as consequências do tempo como sendo situações normais, a exemplo do que acontece na idade madura.

A reposição hormonal na menopausa é um notável exemplo de como se pode devolver o prazer pela vida, a uma mulher que antes, só enxergava desgaste e abatimento.

Portanto, se você deseja saber um pouco mais sobre reposição hormonal, siga comigo até o final da leitura, minha querida Ginemusa.

Impactos do declínio hormonal

Os hormônios são responsáveis pelos acontecimentos mais importantes no corpo humano: a qualidade do sono, o bom humor, a motivação, o controle de situações estressoras, o crescimento estrutural, o ganho ou perda de peso, o funcionamento adequado do metabolismo e, principalmente, a possibilidade de reprodução da espécie humana.

A chegada da menopausa marca o fim da idade fértil da mulher. Ou seja, a partir daquele momento, ela deixa de produzir alguns dos principais hormônios femininos como o estrogênio e a progesterona. O estrogênio é responsável pelo desenvolvimento das características sexuais secundárias, como o crescimento das mamas e pelos pubianos, mas também, é extremamente importante no composição da estrutura óssea feminina e na saúde cognitiva.

Já a progesterona é encarregada por regular o ciclo menstrual preparando a mulher para uma possível fecundação. 

Além disso, a mulher sofre com a queda da testosterona. Ou seja, a partir deste momento passa-se a vivenciar o que chamamos de declínio hormonal gonadal.

Ao passar por essa fase, a mulher começa a precisar conviver com as manifestações resultantes da falta desses hormônios, que normalmente, são:

  • Ondas de calor que causam constrangimentos – os conhecidos fogachos;
  • Queda de cabelos mais frequente do que o normal;
  • Unhas e cabelos quebradiços;
  • Sudorese noturna;
  • Insônia;
  • Sensações de cansaço recorrentes;
  • Ressecamentos vaginal;
  • Baixa libido;
  • Alterações bruscas de humor;
  • Sensações de tristeza e ansiedade;

Reposição na menopausa: o que é?

A disfunção gonadal insere a mulher em um processo de envelhecimento brusco, protagonizado pelos sintomas que listei logo acima.

No entanto, essa situação não pode/deve ser vista como algo normal ou como consequência da sua idade. A reposição hormonal na menopausa é um caminho inteligente que retira a mulher de uma situação desgastante e crítica, devolvendo a ela, o interesse pela vida e por si mesma.

Sendo assim, é importante saber que a reposição hormonal diz respeito a um tratamento individualizado que repõe os hormônios femininos aliviando os sintomas decorrentes da menopausa. A reposição hormonal não interrompe o processo de queda hormonal e, nem mesmo, retrocede a menopausa.

Seu principal objetivo é permitir que a mulher tenha qualidade de vida durante toda a vida e não somente uma parte dela.

Como descobrir o melhor tratamento

A reposição hormonal na menopausa precisa ser avaliada de forma individualizada levando em conta o histórico de saúde da mulher, seu estilo de vida e a sintomatologia da menopausa. Bem como excluir possíveis contraindicações que impeçam seu uso.

Um ponto fundamental que não pode ser negligenciado nessa questão, é a indicação de reposição hormonal de maneira banalizada, sem uma devida investigação detalhada. E neste cenário, as consequência podem ser cruéis, fazendo com que a mulher veja a reposição hormonal como vilã.

Existem diversas formas de realizar a reposição hormonal. Contudo, o mais importante é procurar conhecimento sobre o assunto e sobre os prós e contras de cada método. Observe se o seu médico se interessa pelo histórico de saúde da sua família, pelos seus hábitos diários e pelas seus receios quanto a reposição hormonal.

A escolha de um tratamento adequado começa com uma longa e transparente conversa. Além de uma série de exames laboratoriais e de imagem, avaliação de fatores de risco, história familiar entre outros.

Você pode melhorar sua qualidade de vida

Se você pode melhorar a qualidade de vida na menopausa, porque não escolheria essa opção?

Medos, dúvidas e opiniões divergentes, tendem a paralisar as mulheres na escolha pela reposição hormonal na menopausa. Mas, se você chegou até esse ponto da leitura, pôde compreender que a reposição hormonal apresenta mais vantagens do que problemas quando bem indicada e nas mãos de um profissional habilitado, visto que atua fortemente na diminuição do desgaste físico e psicológico pós menopausa.

A principal diferença na sua decisão, se dará na forma como a reposição hormonal será conduzida. Portanto, converse abertamente com seu médico sobre o assunto.

Para assistir meus conteúdos em vídeo, acesse e se inscreva no meu Canal do Youtube: Dr. André Vinícius. Espero você por lá!

Você também pode gostar de ler: Reposição hormonal na menopausa: conheça os risco e benefícios