You are currently viewing Há tratamento não-hormonal para a endometriose?

Há tratamento não-hormonal para a endometriose?

A endometriose causa o crescimento de tecido do endométrio fora do útero. É uma condição inflamatória crônica dependente de estrogênio que afeta cerca de 5 a 10% das mulheres (190 milhões em todo o mundo) em seus anos reprodutivos. 

As lesões estão localizadas principalmente nos órgãos pélvicos, e a doença muitas vezes causa dor pélvica intensa exacerbada pela menstruação e redução da fertilidade. 

O tratamento geralmente é hormonal ou cirúrgico, e que visa devolver a qualidade de vida para a mulher que sofre deste problema.

Porém, pesquisas recentes apontam para novas formas de tratamento, desta vez não hormonais, e cujos primeiros resultados são bastante promissores.

Para saber mais, confira o artigo que preparei abaixo!

Um estudo promissor

Pesquisadores da Universidade de Wisconsin, Baylor College of Medicine, Bayer AG e da Universidade de Oxford descobriram uma opção terapêutica alternativa para o tratamento da endometriose dolorosa sem o uso de cirurgia ou hormônios. 

Após um estudo genético, esses cientistas encontraram um novo alvo não hormonal promissor que pretendem investigar mais profundamente. 

Parece que esse alvo pode permitir que o tratamento aborde os componentes inflamatórios e dolorosos da doença.

Eles projetaram e conduziram análises genéticas em humanos e macacos rhesus — duas espécies que desenvolveram endometriose espontaneamente — e descobriram o gene NPSR1 (receptor 1 do neuropeptídeo S) associado à doença.

Embora as causas moleculares da endometriose não sejam conhecidas, a herdabilidade é estimada em cerca de 50%, indicando um forte componente genético. 

As opções de tratamento atuais são a terapia hormonal e a cirurgia com uma extrema necessidade de terapêutica não hormonal.

Leia também::: Qual a relação entre endometriose e depressão?

Como foi a pesquisa?

Para estabelecer a eficácia terapêutica, os autores inibiram o NPSR1 em modelos de camundongos usando o pequeno inibidor molecular SHA 68R.

Isso reduziu a infiltração anormal do tecido endometrial fora do útero e no peritônio — a membrana que envolve todos os órgãos do abdômen — reduzindo a inflamação, a endometriose e a dor.

Essas descobertas foram publicadas em um artigo na revista Science Translational Medicine, intitulado “Neuropeptide S receptor 1 is a nonhormonal treatment target in endometriosis”. 

Se corroborado em testes com primatas não humanos e humanos, isso pode levar a um medicamento não hormonal para endometriose.

Leia também::: Fatores de risco para a endometriose

Esperanças para um tratamento melhor

Para as mulheres esperam anos até obterem o diagnóstico correto de endometriose, e muitas vezes sofrem com dores menstruais intensas por anos, e esse achado pode facilitar o diagnóstico em vez de ter que fazer uma cirurgia laparoscópica para diagnosticar a doença.

Além disso, permitirá um tratamento mais eficaz e sem o uso de hormônios para aliviar os terríveis sintomas da endometriose que, em casos graves, pode até mesmo exigir a retirada do útero da mulher, na chamada histerectomia.

Espero que tenha gostado do artigo sobre tratamento não-hormonal para endometriose e, para mais dicas e muita informação sobre Saúde da Mulher, siga também meu canal do Youtube!