You are currently viewing Puberdade precoce e alimentação: entenda essa possível relação

Puberdade precoce e alimentação: entenda essa possível relação

A fase da puberdade chega trazendo muitas novidades na vida da mulher. Sendo o corpo humano uma estrutura bastante complexa e inteligente, cada estágio tende a acontecer no momento certo para garantir a sua evolução. Mas esse não é caso da puberdade precoce.

Diversas disfunções hormonais que acometem a saúde da mulher estão associadas a alimentação, ou melhor dizendo, a má alimentação.

E o que se tem visto com maior frequência são as disfunções hormonais em meninas muito jovens, que nem adentraram na adolescência ainda.

Sendo essas, situações que preocupam os pais e que os levam a conversar com um ginecologista antecipadamente, resolvi elucidar um pouco mais sobre a puberdade precoce.

Desta forma, se você tem dúvidas sobre o que é a puberdade precoce, qual a sua relação com a alimentação e os cuidados que os pais devem ter neste quesito, convido a seguir com a leitura para saná-las até o final.

O que é a puberdade precoce?

A puberdade é um processo pelo qual meninas e meninos passam ao longo da vida e neste caminho, acontece o amadurecimento das funções sexuais.

Sendo assim, a puberdade é uma fase complexa da vida da menina na qual ela desenvolve as suas características sexuais. E neste caso, as mudanças físicas ficam evidentes como a maturação da mamas e o amadurecimento dos órgãos sexuais, como ovários, útero e vagina.

O hormônio responsável pela maturação sexual (GnRH – hormônio liberador das gonadotrofinas) está presente no corpo humano desde o nascimento, onde ele existe em grande quantidade. Com o passar do tempo, esse hormônio diminui voltando a destacar sua presença somente com a chegada da puberdade.

Na menina, o desenvolvimento dos seios (Telarca) costuma ser o primeiro indício da chegada da puberdade que começa a acontecer por volta dos 8 anos. E após esse marco, sucede-se uma sequência de acontecimentos relacionados a sexualidade da mulher, até que acontece a menarca, primeira menstruação, por volta dos 12 ou 13 anos de idade, nos dias de hoje.

Contudo, o que tenho observado ultimamente é o crescimento no número de crianças com puberdade precoce. Ou seja, meninas com menos de 8 anos de idade já apresentando vários dos indícios do amadurecimento sexual.

No desenvolvimento puberal antes do tempo, as meninas muito jovens chegam até o meu consultório, acompanhadas dos pais, com a maturação das mamas avançadas, desenvolvendo pilificação em regiões que não deveriam ter pêlos naquela idade, além da menstruação precoce.

Essa é uma realidade que precisa da nossa atenção.

Qual é a possível relação da puberdade precoce com a alimentação?

Ok, mas qual relação tem a puberdade precoce com a alimentação?

Se eu disser que elas tem total relação, você acredita? Deixa eu explicar o porquê.

Assim como tem aumentado o número de crianças com puberdade precoce, cresce a “coincidência” de que dessas mesmas crianças apresentam obesidade infantil ou maus hábitos de alimentação.

Quando passamos a investigar mais sobre os hábitos alimentares das crianças com puberdade precoce, percebemos que os pais negligenciam o enorme problema que causam aos filhos permitindo que consumam produtos industrializados, embutidos, açucarados e farináceos.

Na medida que o consumo desses produtos aumenta, cresce também, a quantidade de glicose no organismo, que consequentemente, leva a uma multiplicação proporcional na quantidade de insulina, fazendo com que a criança desenvolva a longo prazo o que nós chamamos de resistência insulínica.

Com isso se tem uma reação em cadeia, muitas vezes ignorada pelos pais até que a criança comece a apresentar problemas graves de saúde.

Além disso, o consumo de alimentos ricos em soja pode estimular receptores estrogênios e causar os mesmos efeitos do próprio hormônio.

Cuidados que os pais devem ter

É preciso entender que o gatilho da puberdade precoce, excluindo questões genéticas, está relacionado a produção adiantada e de forma pulsátil do GnRH o hormônio liberador de gonadotrofinas  produzido no hipotálamo.

O GnRH, por sua vez estimula a produção das gonadotrofinas hipofisárias: FSH e LH que são responsáveis pela produção dos hormônios sexuais e o consequente desenvolvimento sexual dos seres humanos.

Quando se tem um status de resistência insulínica, devido ao aumento desregrado da insulina no sangue, estimulado pelo consumo de carboidratos e alimentos de má qualidade, ocorre também, um aumento na produção do GnRH.

Esse hormônio sim, pode desencadear a puberdade precoce associada a má alimentação.

Existem estudos confirmando que a resistência à insulina e a hiperinsulinemia compensatória podem representar a ponte que contribui para muitas das alterações pubertárias que ocorrem com a obesidade infantil.

Portanto, quero deixar um ponto de atenção para os papais e mamães que me acompanham: tentem fazer o que for possível para que seus filhos tenham uma alimentação saudável – “ descasque mais e desembrulhe menos” .

Prevenção é melhor do que cura

Raramente se encontravam crianças em quadros de puberdade precoce, entretanto isso tem se tornado comum, infelizmente.

Por outro lado, se você está lendo este conteúdo e entendendo que a base alimentar pode fazer muita diferença nesta realidade, há chance de se trabalhar a prevenção ao invés de contar somente com a cura.

Por meio da prevenção baseada em uma alimentação rica em nutrientes e minerais, tem-se crianças mais saudáveis e que possam viver, com qualidade, cada estágio das suas vidas, e principalmente, da sua sexualidade.

Se você deseja saber mais sobre assuntos deste tipo, me segue nas redes sociais e se inscreva no meu Canal do Youtube Dr. André Vinícius. Espero por você!

Deixe um comentário