You are currently viewing Síndrome dos Ovários Policísticos versus Disbiose Intestinal

Síndrome dos Ovários Policísticos versus Disbiose Intestinal

A Síndrome dos Ovários Policísticos, também conhecida como SOP, é uma doença que ganhou destaque nos últimos tempos. Contudo, o que poucas pessoas observam é a sua relação íntima com a disbiose intestinal.

Portanto, minha Ginemusa, reforço que esse é um assunto merecedor de nossa atenção. 

O conhecimento sobre as bases causadoras de doenças como a SOP, é o que poderá fazer diferença no controle da patologia e, principalmente, na prevenção.

Talvez você esteja lendo este artigo porque a Síndrome dos Ovários Policísticos têm furtado sua qualidade de vida ou até mesmo, distanciado, cada vez mais, o desejo de ser mãe. Ou, talvez esteja por aqui, simplesmente porque deseja compreender as circunstâncias da doença e sua forte relação com o intestino.

Independente do motivo, quero lhe dar os parabéns por buscar informações em fontes confiáveis, que por sua vez, lhe darão propriedade para conversar com seu médico acerca da SOP, doença que tem acometido muitas mulheres mundo afora.

Sendo assim, continue comigo até o final da leitura, para saber o que é  a Síndrome dos Ovários Policísticos e a sua relação com a disbiose intestinal. Além disso, elenquei alguns alimentos com alto teor inflamatório que, por consequência, são extremamente prejudiciais a saúde das mulheres.

O que é Síndrome dos Ovários Policísticos?

A Síndrome dos Ovários Policísticos é uma patologia com manifestações reprodutivas (infertilidade), metabólicas (aumento do risco de obesidade, síndrome metabólica, esteatose hepática) e endócrinas (alterações de diversos hormônios) que afeta muitas mulheres em idade fértil. 

As indicações predominantes do surgimento da SOP são as alterações no ciclo menstrual e o aumento dos níveis de hormônios androgênicos masculinizantes como testosterona, androstenediona e DHEA.

Sendo assim, a SOP diz respeito a uma doença que combina o surgimento de múltiplos cistos ovarianos, com amenorreia (ausência da menstruação), aumento de pelos, acne, oleosidade e tendência à obesidade associada à resistência insulínica, em grande parte dos casos (de 50% a 70%).

Os principais sintomas da Síndrome dos Ovários Policísticos são a irregularidade menstrual e as alterações hormonais. Esse costumam ser os gatilhos que levam a mulher a descobrir que é portadora de SOP. 

Contudo, o aumento de gordura corporal e até mesmo, a obesidade, costumam ser negligenciados nesse contexto.

Você também pode gostar de ler: A vital importância da testosterona na vida da mulher.

Síndrome dos Ovários Policísticos versus disbiose intestinal

Por outro lado, a alimentação e a saúde do intestino tem profunda relação com o surgimento da SOP.

Poucas mulheres tendem a associar a doença com o seu estilo de vida e hábitos alimentares, mas esta pode ser uma das bases fisiopatológicas que leva a SOP a um nível de gravidade além dos cistos ovarianos.

Sendo assim, é extremamente importante saber que a SOP está fortemente relacionada com o aumento da resistência insulínica (RI), em grande parte dos casos (50-70%). E a RI é responsável pelo surgimento das manifestações clínicas e laboratoriais desta Síndrome.

Ao entender que SOP e resistência insulínica tem uma relação ativa, não é difícil perceber que a alimentação tem um papel fundamental neste cenário.

Existem estudos sugerindo que a disbiose intestinal causada pela má alimentação aumenta a permeabilidade da mucosa intestinal, deixando o organismo suscetível a entrada de bactérias nocivas, que por vezes, aciona o sistema imunológico. 

Desta forma, a ativação frequente do sistema imune interfere na função do receptor de insulina, desregulando seus níveis séricos, elevando a produção dos hormônios andrógenos e afetando o desenvolvimento normal dos folículos.

Esse é um ciclo vicioso em que a mulher portadora de SOP pode estar inserida, simplesmente por não dar a devida atenção a alimentação e a saúde do intestino.

Alimentos inflamatórios

Já que eu trouxe a tona o assunto alimentação no artigo desta semana, desejo elencar alguns alimentos que devem ser evitados pelas mulheres de forma geral. Tal decisão auxilia no controle da SOP, assim como, favorece a prevenção.

Ultraprocessados: alimentos ultraprocessados podem conter um grande número de ingredientes nocivos ao organismo, tais como conservantes, corantes, acidulantes e tantos outros que só fazem prejudicar a saúde ao serem consumidos por muito tempo.

Açúcar branco refinado: este é um alimento pobre em nutrientes, que no contexto da SOP poderá amplificar os efeitos da doença e agravar o quadro de resistência insulínica.

Derivados de farinha de trigo: a farinha de trigo fica no topo da lista dos alimentos inflamatórios porque ela se torna açúcar branco após a digestão. Os amidos tornam-se açúcares instantaneamente e acabam por aumentar a glicose no sangue. Quando o açúcar atinge picos na corrente sanguínea, o organismo compensatoriamente, gera um pico de insulina, grande  vilã da SOP.

Em contrapartida, busque consumir os alimentos com propriedades anti- inflamatórias incluindo folhas verde-escuras, uvas roxas, nozes, sementes, amêndoas, legumes coloridos e gorduras boas, como as que estão presentes em óleos de azeite, de abacate e de coco. 

É importante que haja o acompanhamento de um profissional especializado, como o nutricionista, para que o plano alimentar esteja adequado com a individualidade da mulher.

A causa pode estar onde você menos imagina

Quando se fala em SOP, logo vem em mente uma patologia relacionada aos ovários. No entanto, essa é uma doença ligada a vários desequilíbrios que acometem o corpo feminino ao longo da vida.

A relação com a disbiose intestinal esclarece ainda mais essa questão.

Portanto, questione o seu médico sobre outros aspectos fundamentais como o estilo de vida e o uso de anticoncepcionais.

Você vai se surpreender ao descobrir que a causa da SOP pode estar onde você menos imagina.

Saiba mais sobre a SOP acessando meu Canal no Youtube: Dr. André Vinícius. Espero você por lá!